You are here

Glossário

A | B | C | D | E | F | G | H | I | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V
  • capital humano

    Definição: 

    Os conhecimentos, as capacidades, as competências e os atributos pessoais que facilitam o bem-estar pessoal, social e económico.

    Fonte: 
    OECD, 2001.
  • certificação de um prestador de ensino ou de formação

    Definição: 

    Processo de controlo de qualidade que visa o reconhecimento e aprovação de uma entidade formadora pela autoridade competente, após a verificação da sua conformidade com as normas predefinidas.

    Fonte: 
    adaptado do Canadian Information Centre for International Credentials.
  • certificação dos resultados da aprendizagem

    Definição: 

    Processo de atribuição de um certificado, diploma ou título que atesta formalmente que um conjunto de resultados de aprendizagem (conhecimentos teóricos e práticos, capacidades e/ou competências) adquiridos por uma pessoa foram avaliados por um organismo competente de acordo com regras predefinidas.

    Nota: 

    a certificação pode atestar os resultados tanto da aprendizagem formal, não-formal e informal.

    Fonte: 
    Cedefop, 2008.
  • certificado / diploma / título

    Definição: 

    Documento oficial atribuído por um organismo certificador que atesta o nível de qualificação obtido por uma pessoa no seguimento de um processo de avaliação de acordo com regras predefinidas.

    Fonte: 
    Cedefop, 2008.
  • coesão social

    Definição: 

    O grau em que os diferentes grupos de uma sociedade podem viver em conjunto e partilhar os mesmos valores.

    Nota: 
    • a coesão social exige níveis baixos de exclusão social, cooperação intracomunitária e solidariedade entre as comunidades e os grupos sociais;
    • a coesão social não se limita à homogeneidade económica (taxa de emprego, escala de salários, acesso à saúde e à educação, habitação); está também associada ao nível de inclusão social;
    • Jenson (1998) identificou cinco dimensões da coesão social:
      • pertença – isolamento: que significa valores partilhados, identidade, sentimento de compromisso;
      • inclusão – exclusão (acesso ao bem-estar);
      • participação – não envolvimento (na sociedade civil);
      • reconhecimento – rejeição de diferenças (numa sociedade pluralista);
      • legitimidade – ilegitimidade (confiança e respeito pelas instituições).
    Fonte: 
    Cedefop, 2008; Jenson, 1998.
  • colocação profissional

    Definição: 

    Processo de apoio a uma pessoa na procura de um emprego que corresponda às suas competências.

    Nota: 
    • a colocação profissional pode ser efetuada por serviços de emprego (públicos ou privados) ou por instituições de ensino;
    • a colocação profissional engloba atividades como a elaboração de um CV, preparação para entrevistas, balanço de competências (auditoria de competências), orientação e aconselhamento;
    • em inglês, «job placement» pode designar igualmente um estágio numa empresa realizado por um aluno ou estudante durante os seus estudos.
    Fonte: 
    Cedefop, 2011.
  • comparabilidade das certificações / comparabilidade das qualificações

    Definição: 

    Grau em que é possível estabelecer uma comparação entre o nível e o conteúdo das certificações (certificados, diplomas ou títulos), tanto ao nível setorial, como ao nível regional, nacional ou internacional.

    Nota: 

    a comparabilidade das certificações reforça a empregabilidade e a mobilidade dos indivíduos. Não deve confundir-se este termo com o conceito de equivalência de qualificações (que designa a equivalência de valor dos certificados e diplomas).

    Fonte: 
    Cedefop, Bjørnåvold, Tissot, 2000.
  • competência

    Definição: 

    Capacidade de mobilizar os resultados da aprendizagem de forma apropriada num contexto definido (educação, trabalho, desenvolvimento pessoal ou profissional).

    ou

    Capacidade comprovada de utilizar o conhecimento, as aptidões e as capacidades pessoais, sociais e/ou metodológicas, em situações profissionais ou em contextos de estudo e para efeitos de desenvolvimento profissional e/ou pessoal.

    Nota: 

    a competência não se limita a elementos cognitivos (utilização de uma teoria, de conceitos ou conhecimentos tácitos), engloba igualmente aspetos funcionais (nomeadamente aptidões técnicas), interpessoais (por exemplo aptidões sociais ou organizacionais) e valores éticos.

    Fonte: 
    Cedefop; European Parliament and Council of the European Union, 2008.
  • competência digital / literacia digital

    Definição: 

    Capacidade de usar as tecnologias da informação e da comunicação (TIC).

    Nota: 

    a competência digital é sustentada pelas competências em TIC: o uso do computador para obter, avaliar, armazenar, produzir, apresentar e trocar informações e para comunicar e participar em redes de cooperação através da Internet.

    Fonte: 
    Cedefop, 2008; European Parliament and Council of the European Union, 2006.
  • competências / aptidões profissionais / capacidades profissionais

    Definição: 

    Capacidade de realizar tarefas e resolver problemas.

    Fonte: 
    Cedefop; European Parliament and Council of the European Union, 2008.
  • competências de base

    Definição: 

    As competências necessárias para viver e evoluir na sociedade contemporânea, isto é, saber ouvir, falar, ler, escrever e calcular.

    Nota: 

    as competências de base associadas às novas competências de base formam as competências-chave.

    Fonte: 
    Cedefop, 2008.
  • competências de base em tecnologias da informação e da comunicação (TIC)

    Definição: 

    As competências necessárias para a utilização eficaz das funções de base das tecnologias da informação e da comunicação para obter, avaliar, armazenar, produzir, apresentar e trocar informações e para comunicar e participar em redes de cooperação através da Internet.

    Nota: 

    as competências de base em TIC farão doravante parte das competências-chave.

    Fonte: 
    European Parliament and Council of the European Union (2006); Cedefop, 2012.
  • competências em tecnologias da informação e da comunicação (TIC)

    Definição: 

    Competências necessárias para a utilização eficaz das tecnologias da informação e da comunicação (TIC).

    Nota: 

    num relatório sobre competências em TIC e emprego, a OCDE propõe uma classificação simples:

    • competências profissionais em TIC: capacidade de utilizar ferramentas informáticas complexas e/ou desenvolver, corrigir ou criar este tipo de ferramentas;
    • competências avançadas em TIC: capacidade de utilização de ferramentas informáticas simples em qualquer ambiente profissional (empregos não informáticos);
    • competências de base em TIC ou literacia em TIC: capacidade de utilização das TIC para tarefas simples e como ferramenta de aprendizagem.
    Fonte: 
    Cedefop, 2004; OECD, Lopez-Bassols, 2002.
  • competências emergentes/novas

    Definição: 

    As aptidões para as quais a procura é cada vez maior nas profissões existentes ou novas.

    Nota: 

    a identificação das necessidades de competências emergentes/novas é determinante para prevenir o défice e a escassez de competências, promover a empregabilidade e satisfazer as necessidades da economia.

    Fonte: 
    Cedefop.
  • competências verdes / competências ecológicas

    Definição: 

    Aptidões necessárias para viver numa sociedade que reduz o impacto negativo da atividade humana no ambiente, bem como para desenvolver e apoiar essa sociedade.

    Nota: 
    • as competências verdes gerais ajudam a desenvolver a tomada de consciência e a implementação de atividades eficientes em termos de recursos, de ecocidadania, etc.;
    • as competências verdes específicas são necessárias para implementar as normas e os processos para proteger os ecossistemas e a biodiversidade, reduzir a energia e o consumo de materiais e de água;
    • as competências verdes altamente especializadas são necessárias para desenvolver e implementar tecnologias verdes como as energias renováveis, o tratamento das águas residuais ou a reciclagem.
    Fonte: 
    Cedefop
  • competências-chave

    Definição: 

    Conjunto de competências (competências de base e novas competências de base) necessárias para viver na sociedade contemporânea baseada no conhecimento.

    Nota: 

    na sua recomendação sobre as competências-chave para a aprendizagem ao longo da vida, a Comissão Europeia descreve oito competências-chave:

    • comunicação na língua materna;
    • comunicação numa língua estrangeira;
    • competências em matemática, ciências e tecnologias;
    • competência digital;
    • aprender a aprender;
    • competências interpessoais, interculturais, sociais e cívicas;
    • espírito empreendedor;
    • sensibilidade cultural.
    Fonte: 
    Cedefop, 2004; European Parliament and Council of the European Union, 2006.
  • comunidade de aprendizagem / comunidade aprendente

    Definição: 

    Comunidade que promove uma cultura de aprendizagem através do desenvolvimento de uma cooperação eficaz entre todos os setores da comunidade e que apoia e motiva a aprender os indivíduos e as organizações.

    Fonte: 
    Cedefop, 2004.
  • conceção e planeamento da formação

    Definição: 

    Conjunto de abordagens metodológicas coerentes aplicadas à conceção das ações e programas de formação, tendo em vista os objetivos estabelecidos.

    Nota: 

    a conceção e o planeamento da formação compreendem a análise da procura e das necessidades de formação, a conceção do projeto formativo, a coordenação e o controlo da sua implementação e a avaliação dos seus efeitos.

    Fonte: 
    adaptado de Le Préau, 1992.
  • conhecimento / saber

    Definição: 

    O resultado da assimilação da informação obtida ao longo da aprendizagem. O conhecimento é o conjunto de factos, princípios, teorias e práticas relacionados com uma área de estudo ou de trabalho.

    Nota: 

    existem numerosas definições de conhecimento/saber, contudo, as grandes correntes modernas consideram fundamentalmente as seguintes distinções:

    • Aristóteles estabeleceu uma distinção entre a lógica teórica e a lógica prática. De acordo com esta distinção, os teóricos modernos (Alexander et al., 1991) distinguem o conhecimento declarativo (teórico) do conhecimento processual (prático).
      • O conhecimento declarativo engloba as asserções a respeito de eventos ou factos específicos e generalizações empíricas, bem como os princípios mais fundamentais sobre a natureza da realidade.
      • O conhecimento processual inclui diferentes elementos (heurística, metodologia, planificação, práticas, procedimentos, ações de rotina, estratégias, táticas, técnicas ou engenho) (Ohlsson, 1994);
    • é possível distinguir diferentes formas de conhecimento, correspondendo a diferentes métodos de «aprendizagem do mundo»: existem estudos que permitiram identificar categorias de conhecimento diferentes, articuladas da seguinte forma:
      • conhecimento objetivo (natural/científico), julgado com base no grau de certeza;
      • conhecimento subjetivo (literário/estético), julgado com base no grau de autenticidade;
      • conhecimento moral (humano/normativo), julgado com base na aceitação coletiva (verdadeiro/falso);
      • conhecimento religioso/divino, julgado com base na referência a uma autoridade divina (Deus).

    Esta distinção esquemática explica as questões que colocamos, as metodologias que utilizamos e as respostas a que chegamos na nossa busca pelo conhecimento;

    • o conhecimento pode ser tácito e explícito.
      • O conhecimento tácito (Polanyi, 1966) define-se como o conhecimento (não necessariamente expresso ou consciente) adquirido pelo aprendente e que influencia o processo cognitivo.
      • O conhecimento explícito corresponde ao conhecimento que pode ser mobilizado conscientemente pelo aprendente e compreende o conhecimento tácito, tornado explícito quando se converte num «objeto de pensamento» (Prawat, 1989).
    Fonte: 
    Cedefop, 2008; European Parliament and Council of the European Union, 2008.
  • conteúdo da formação

    Definição: 

    Matérias e atividades que deverão ser aprendidas por um indivíduo ou grupo de aprendentes no decurso de um processo de aprendizagem.

    Fonte: 
    adaptado de European Training Foundation, 1997.
  • crédito individual à formação

    Definição: 

    Sistema de incentivo público, destinado a facilitar o acesso dos adultos à aprendizagem, nomeadamente daqueles que não têm acesso ao ensino ou à formação financiada por fundos públicos.

    Nota: 

    os créditos individuais à formação visam promover a participação no desenvolvimento pessoal e profissional através de um apoio, que se exprime numa ajuda financeira ou num crédito de tempo que o beneficiário pode utilizar nos estabelecimentos da sua escolha.

    Fonte: 
    Cedefop, 2008.
  • currículo

    Definição: 

    Inventário das atividades ligadas à conceção, organização e programação das atividades de ensino ou formação, incluindo a definição dos objetivos de aprendizagem, os conteúdos, os métodos (incluindo a avaliação) e os materiais, bem como as exigências relativas à qualificação dos professores e formadores.

    Nota: 

    o termo currículo designa a conceção, organização e a programação das atividades de aprendizagem enquanto o termo programa se refere à implementação destas atividades.

    Fonte: 
    Cedefop, 2008; Landsheere, 1979.